30 abr/14

Amor Pleno

postado por Mateus Barbassa

AMOR PLENO

“O Amor torna-nos um. Eu em ti. Tu em mim.”
Somos constantemente bombardeados com frases como essa proferida por uma das personagens do filme “To The Wonder” do diretor Terrence Malick. Somos levados a acreditar que somente encontrando nossa cara metade, a outra metade da laranja, a tampa de nossa panela, seremos pessoas plenas e felizes. Pura Balela. E a origem de enormes sofrimentos dos humanos. Somos uns abandonados. Sentimo-nos abandonados. Incompletos. Vazios. Quase que o tempo todo. O outro entra como um possível alento para cessar tudo isso. Sim. Um outro. Exatamente igual: Abandonado. Incompleto. Vazio. E o resultado de tudo isso: Mais e mais solidão. E cada vez menos amor. Sobretudo nessa nossa modernidade. Onde tudo é líquido. Rápido. Descartável. E nada é feito pra durar. Então, aparece a questão fatal:
Como o amor pode crescer em meio ao medo?
O nosso aprendizado amoroso é todo baseado no medo, sobretudo da solidão, na carência. E quando não é baseado nisso, temos aquele amor caridoso, que nada mais é que uma forma de se esconder. Olha o medo aí de novo. O amor em nossa sociedade é uma obrigação. Somos obrigados a amar os outros. Obrigados a amar nossa família. Somos obrigados até a amar Deus. Não somos livres. Até tentamos. Mas o fato é que não somos. Não corremos riscos. Não saímos da gaiola ideológica. Cobiçamos luxos. Queremos nos sentir seguros. E evitamos nos comprometer. Temos medo de ser quem somos. E afinal, o que somos?
Somos autores da obra. “To The Wonder” é difícil, fragmentado, poético, etéreo. Um filme individual. Aquilo que vemos é o que podemos ver. Sem tirar nem por. O personagem vivido pelo ator Bem Afleck é um personagem morno. Apático. Frio. É mais um joguete. Um legítimo homem contemporâneo. Perdido. Absolutamente perdido. Já a personagem da atriz Olga Kurylenko é quente. Passional. Entrega-se ao outro sem resistência. Mas falta-lhe amor próprio. “Escrevo na água, o que não me atrevo a dizer”. O padre vivido por Javier Bardem se perde numa caridade vazia: “Tudo o que vejo é destruição. Fracasso. Ruína”.
Os relacionamentos humanos mostrados em “To The Wonder” são meios para fugir de si mesmos. O tédio predomina. O medo domina. A carência grita. E o outro serve como diversão. Algumas cenas em “To The Wonder” se passam num parque de diversão. E ali se encontra a metáfora perfeita para o amor dos humanos: um sobe e desce frenético. Giramos e nos entorpecemos. Pra esquecer. Sobretudo de nós mesmos. De nossas dores. De nosso vazio.

O novo filme de Malick não traz um enredo claro. É preciso escavá-lo. Ir junto. Se permitir. Só assim o filme fará algum “sentido”. E que fique claro. Esse “sentido” será sempre individual. O filme é um exuberante quebra-cabeça. Recebemos várias peças e temos que ir montando aos poucos. Com cuidado. Para não se deixar cegar pela beleza das imagens. É preciso ir além das imagens. E ver o que elas escondem. Ou o que elas revelam. O filme é sobre amor. Sim. Conta histórias de amor. E dito assim pode até parecer uma história convencional. Fulano “ama” Fulana. Casam-se. Brigam. Separam-se. Fulano conhece outra Fulana. “Apaixonam-se”. E a primeira Fulana se ferra porque ainda amava o tal Fulano. Mas esqueça. O filme é bem mais que isso.
A real beleza de “To The Wonder” não reside na fotografia deslumbrante, nem na trilha sonora perfeita. Não. O que mais me impressiona no filme é a coragem do diretor de bancar um filme como esse. De esfregar na nossa cara, o quanto não somos livres, o quanto somos dependentes psicologicamente dos outros. Nosso ciúme, medo, ansiedade estão todinhos ali. O fato é que não amamos ninguém. Nem a nós mesmos. Não sabemos amar. O amor em nossa contemporaneidade é apenas troca. Comércio. Material para cinema, novela, música grudenta. Lucro. O amor, aquele que não espera nada em troca, só pode surgir na liberdade, na ausência do medo. Quando mergulhamos fundo na solidão. Quando a compreendemos. Quando já não mais temos medo dela. Quando nos tornamos solitários. Esse é o aprendizado da personagem de Olga Kurylenko. Esse é o tal Amor Pleno. Quando não há mais dependência de nada, nem ninguém.
“No momento em que tiverem no coração essa coisa extraordinária chamada amor e sentirem a profundidade, o prazer, o êxtase dele, descobrirão que para vocês o mundo se transforma”.
Com essa frase do pensador indiano Krishnamurti encerro meu texto sobre esse filme sensacional e urgente.
Recomendo. Muito. Muito.
 
Mateus Barbassa
Professor e diretor teatral

29 abr/14

IV Filadélfia Dance

postado por Diogo Branco

O Theadro Pedro II abre suas portas para um grande evento de cunho solidário, o IV Filadélfia Dance!
O evento será realizado nos dias 28, 29 e 30 de abril de 2014, sendo no dia 28, Oficinas de Dança, e nos dias 29 e 30, a mostra avaliada e apresentações especiais no palco principal do Theatro Pedro II, a partir das 20h.

Mantendo a identidade de inclusão cultural, o Filadélfia Dance viabiliza todo o acesso ao evento através de ingresso solidário. Dessa forma, as inscrições de coreografias serão realizadas por meio da doação de leite (longa vida), as oficinas de dança através da doação de pacotes de fraldas descartáveis e os ingressos para o público da mostra serão trocados mediante a doação de dois quilos de alimentos não perecíveis. Todo o material arrecadado será distribuído para instituições da cidade e da região, através do Fundo Social de Solidariedade.



O Festival é idealizado pela Associação Beneficente Filadélfia, uma entidade que atua no âmbito cultural oferecendo capacitação profissional no segmento audiovisual, através de cursos e oficinas de fotografia, edição e captação de vídeo, iniciação musical e aulas de dança. Todos estes trabalhos são voltados para o público adolescente em situação de vulnerabilidade social, residentes na cidade de Ribeirão Preto e região.
 
Serviço:

IV - FILADÉLFIA DANCE
Local: Theatro Pedro II
Data: 29 e 30 de abril
Horário: 20h
Entrada: 2kg de alimentos não-perecíveis
Informações: www.associacaofiladelfia.com.br        

 

28 abr/14

O amor e sua trajetória

postado por Mateus Barbassa

25 abr/14

HQ da semana, por Arnaldo Junior

postado por Diogo Branco

23 abr/14

Dia mundial do livro !

postado por Diogo Branco

23 de Abril é o dia Mundial do livro, e essa data não poderia passar sem merecido destaque.
Hoje em Ribeirão Preto, o Palace abre suas portas para a tradicional Festa do Livro, que é realizada desde 1996 e que tem como principal característica a troca de livros e flores entre homens e mulheres. O evento é patrocinado pela Petrobras e integra o projeto Oficina Palavra Mágica de Literatura e Escrita, da Fundação Palavra Mágica.

A Festa do Livro se tornou uma referência nas áreas de leitura e de livros em Ribeirão Preto, com participações de empresários, publicitários, jornalistas e leitores entusiastas em divulgar a literaura.

SERVIÇO:
Data: 23 de abril
Horários: 19h30 (Atração Cultural), 19h45 (Abertura) e 20h (palestra “O papel dos livros na superação e transformação”, de Galeno Amorim, presidente da Árvore de Livros S. A.). Depois ocorrem as trocas de flores e livros
Local: Centro Cultural Palace(ao lado de Theatro Pedro II), na Rua Álvares Cabral, 322, Centro de Ribeirão Preto/SP
Realização: Fundação Palavra Mágica
Patrocínio: Petrobras
Apoio: Centro Cultural Palace (CCP)


21 abr/14

Bonzinhos S.A.

postado por Diogo Branco

Deve ser culpa da minha avó. 
Eu juro, querido leitor, são 23 anos me ferrando de maneira irrestrita, e eu precisava culpar alguém que não fosse eu mesmo. 
Que me perdoe minha progenitora, mas só ela sabe o quanto me aconselhava em seu acalanto. Aprendi desde cedo a enaltecer e reconhecer virtudes, dentre elas, uma há muito tempo à beira da extinção: A generosidade. No mundo da mesquinharia ilimitada e do "eu primeiro" em que vivemos, encontrar generosidade não é tarefa fácil, nem nunca foi. Me lembro do dia em que acenei para um carro, com o objetivo de avisar que a porta traseira estava aberta, e em troca recebi um sonoro "vai tomar no *". O mundo, de fato, não está mais acostumado com gentilezas.
Generoso é aquele que dá sem esperar algo em troca. Mais do que engloba o conceito financeiro, cabem ainda nessa virtude as pequenas ações gratuitas do dia a dia: Um abraço, um olhar, um momento de atenção, ou "a partilha de nossos ensinamentos e do nosso amor irrestrito", como afirmam os budistas. Quanto ao abraço e ao olhar, nunca tive problemas, mas no quesito amor... Eu e minha avó nos demos mal: Ela por ter suportado, calada, inúmeros episódios de traições, e eu por teimar em acreditar nos outros.
Dia desses marquei um encontro com uma pessoa. Acertamos nossos horários e combinamos de sair. Em suma: Ficamos eu, minha cerveja e os músicos do barzinho, apenas. Nenhum  telefonema, mensagem ou sinal de fumaça que me indicasse satisfação pela ausência foi apresentado a mim.Preocupado, liguei para a pessoa e combinamos um novo encontro, no dia seguinte. Novamente, tomei minha cerveja sozinho e sem nenhum motivo plausível. Sim, foram dois bolos em dias seguidos, da mesma pessoa e no mesmo local, inclusive. Os músicos já me olhavam com pena.
Pois é, veja você, aqui estou eu desabafando através desse texto. Logo eu, que sempre condenei os que compartilham os (raros) momentos de vída privada que temos hoje em dia. Mas vai servir de exemplo e lição pra alguém.
Sobre o episódio descrito acima, cabe: Generoso, eu ??? Não. Escalei o muro da generosidade e caí no terreno da burrice. Nesse terreno, inclusive, existe uma àrea reservada para os bonzinhos que só se fodem, na qual eles se reunem numa espécie de sociedade anônima. Lá estão os bonzinhos de várias estirpes, inclusive aquele tipo que liga para a pessoa que o esqueceu na noite passada. Em estágios avançados, eles recebem certificado e o título de "tolos", e a partir daí caem na real e podem sair do terreno da burrice, mas há poucos relatos. É raro existir um bonzinho que deixe um dia de ser.
No fundo, eles sabem que a vida lhes reserva uma grata surpresa.
Os mais velhos garantem que, num primeiro momento, pode haver uma imensa chateação ao perceber que o título de "tolo" foi pregado na sua testa, mas o tempo faz tudo valer a pena, e a vida se encarrega de retribuir no momento certo. Os grandes de alma sabem que, na verdade, a vida é muito simples: Você só recebe aquilo que dá, e bem como cada ação caridosa, cada pensamento que temos está gerando o nosso futuro.



Diogo Branco

21 abr/14

Normalidade X Loucura

postado por Diogo Branco

Uma vez por semana, um novo tema é discutido no Farofa.
Acompanhe abaixo o tema desta semana, e participe mandando suas críticas e sugestões de pauta pelo e-mail farofaculturalribeirao@gmail.com

19 abr/14

Pratos do dia em Ribeirão

postado por Diogo Branco

Confira a programação para este sábado (19/04) em Ribeirão Preto:


17 abr/14

Estreia do filme "Divergente"

postado por Diogo Branco

Sucesso entre o público jovem, o filme "Divergente" marcou sua estreia no Cinépolis com sessão lotada.
O Farofa Cultural esteve lá e registrou o entusiasmo dos fãs desse filme, que promete agradar também os mais variados espectadores.



Francisco, que também marcou presença na estreia do filme, garante: "Gostei muito, pois tem bastante cenas de lutas, cenas de ação. Gostei bastante do personagem "Four" pois é misterioso, e sua atuação no filme foi ótima."



Sinopse do filme:
Divergente se passa na futurística Chicago. Quando a adolescente Beatrice completa 16 anos, ela tem que escolher entre as diferentes facções que a cidade está dividida. São cinco, e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade, coragem e outros.

Serviço:

CINÉPOLIS SHOPPING IGUATEMI
18:30 (SALA 5 - DUBLADO)
21:00 (SALA 3 VIP - LEGENDADO)
21:45 (SALA 5 - LEGENDADO)

CINÉPOLIS SHOPPING SANTA ÚRSULA
15:45 (SALA 3 - LEGENDADO)
18:45 (SALA 3 - DUBLADO)
21:45 (SALA 3 LEGENDADO)
22:00 (SALA 5 - LEGENDADO)









16 abr/14

Auguste Rodin

postado por Diogo Branco

Auguste Rodin foi um dos maiores escultores que o mundo já viu.
Ele criou personagens sedutores e cheios de vida. Seus materiais, fossem eles argilas, gesso, mármore ou bronze, ganharam vida graças ao modo como Rodin recriou a pele, os músculos as expressões faciais e características físicas únicas.
O talento de Rodin permaneceu sem reconhecimento por muitos anos e Rodin foi rejeitado pela École de Beaux-Arts de Paris por três vezes.
Durante a década de 1860, ele ficou cada vez mais frustrado com sua produção artística e, como resultado, sofreu um colapso emocional.



Seu primeiro grande monumento público foi " Os portões do Inferno " (1880), planejados para serem as portas de um museu.O museu, contudo, jamais foi construído e por isso Rodin não terminou essa encomenda. Sua fama e seu prestígio, contudo, estavam assegurados e, nas décadas seguintes, Rodin produziu algumas de suas obras mais famosas, como "O pensador" (1880), "Os burgueses de Calais"(1884-1886), e O beijo (1901-1904)


"O Pensador" representa um homem em meditação soberba, lutando com uma poderosa força interna. A escultura original encontra-se no Museu Rodin, em Paris (França), e há mais de 20 versões espalhadas pelos museus do mundo.


"Os burgueses de Calais" foi uma obra encomendada em 1888 pelo prefeito de Calais em homenagem aos seis burgueses.Rodin representou os seis homens poderosos de uma maneira única, refletindo o desespero em suas faces ao invés do heroísmo e poder que eram esperados para a escultura.


"O beijo" : Na obra, o artista inspirou-se nos delírios amorosos vividos com Camille Claudel, sua assistente.

15 abr/14

Repressão Sexual

postado por Diogo Branco

Neste episódio do "Apertando o Calo", os quatro farofeiros discutem o tema "Repressão Sexual"

Qual a sua opinião sobre esse assunto? Qual tema você gostaria que fosse abordado? Esperamos o seu contato !
Escreva para farofaculturalribeirao@gmail.com.br

13 abr/14

Top Of Mind

postado por Diogo Branco

A última quinta-feira foi dia do evento que contempla as melhores marcas de Ribeirão Preto, o "Top Of Mind".
O evento, realizado no Taiwan, caprichou em cada detalhe e presenteou os convidados com o extremo bom gosto na decoração, no buffet, nas bebidas e na música, que ficou por conta da banda internacional Double You.



Juliana Sfair, em um dos ambientes de entrada do evento.



Detalhe da decoração, enaltecendo as marcas campeãs de 2013.



A equipe do Farofa Cultural se sentiu honrada com o espaço exclusivo para a Imprensa !



As amigas Marilda Salin e Fatima Abduch, da empresa CASO - Centro Avançado de Saúde Oral.



O casal Lilian e Reginaldo Nascimento.



O ambiente do evento e os detalhes da decoração.



A atriz Juliana Sfair, no ambiente de entrada do evento.

Diogo Branco

Diogo Branco e a apresentadora Nianara Bighetti, representando o programa Holofote

Diogo Branco

Diogo Branco e o apresentador Francisco Magrini, representando o programa Holofote



O delícioso buffet, com carpaccios, quiches, queijos e muito mais.



Os amigos José Roberto ( empresa Multisolutions ), Vitor ( Construtora RP ). e George ( Genius Digital Home )



Marina Carneiro e Deborah Fraga, do programa A+





O palco montado para a banda Double You, e a pista de dança iluminada.






11 abr/14

Festival Varilux - Entrevista

postado por Diogo Branco

Do dia 9 ao dia 16 de Abril, o Festival Varilux de Cinema Francês volta às telas dos cinemas brasileiros com o melhor da dramaturgia francesa recente. Em 2014, o Festival chega a 45 cidades, e 70 salas de cinema, incluindo as do UCI em Ribeirão Preto.


Para conhecer um pouco mais sobre esse Festival, suas metas e sua relação com a cidade de Ribeirão Preto, acompanhe abaixo uma entrevista cedida pela diretora da Aliança Francesa Desirèe Resende Cazzoli para o diretor e professor de teatro Mateus Barbassa.

MATEUS BARBASSA -O Festival Varilux de Cinema Francês está em sua 5ª edição e Ribeirão Preto sempre está entre as cidades selecionadas para acolher essa iniciativa. Você acredita que a cidade corresponda às expectativas do Festival?
DESIRÈE RESENDE CAZZOLI -Acreditamos que a cidade corresponda às expectativas já que a cada ano temos um número maior de espectadores. Nós da Alliança Francesa temos como missão divulgar a cultura francesa e acredito que o Festival está se constituindo como uma grande janela da "sétima arte francesa".

MATEUS BARBASSA-A seleção de filmes desse ano está bastante promissora. Você apostaria em algum filme que chamará mais atenção do público?
DESIRÈE RESENDE CAZZOLI - O filme Eu, mamãe e os meninos foi vencedor do César de melhor filme, com certeza chamará muita atenção. Mas como você bem disse temos uma seleção muito promissora com filmes atuais e premiados de todos os gêneros desde o drama até a comédia.



MATEUS BARBASSA- Nesse ano teremos a oportunidade de rever uma obra significativa do cinema francês: "Os incompreendidos". Você acredita que essa obra de François Truffaut ainda tem algo a nos comunicar? 
DESIRÈE RESENDE CAZZOLI - Acredito que sim. Todos nós passamos pela adolescencia,nos questionamos e nos rebelamos contra o autoritarismo e o desprezo. Pode ser que o autoritarismo hoje não venha da escola mas de uma sociedade que dita as regras e trata muito mal, desprezando,  os que querem "criar"sua própria personalidade. 

MATEUS BARBASSA- Qual sua expectativa para o Festival? 
DESIRÈE RESENDE CAZZOLI - Um aumento mínimo de 10% no número de espectadores. Mas principalmente atrair o público com uma seleção extraordinária de filmes divulgando assim o cinema francês.   Sem contar a oportunidade de estar mostrando um pouco da França a Ribeirão Preto justamente no ano em que vamos estar recebendo tantos franceses para a Copa do Mundo.

MATEUS BARBASSA - Como a língua francesa afeta o cinema francês? 
DESIRÈE RESENDE CAZZOLI -A língua francesa, como a maioria das línguas latinas, é muito rica, cheia de expressões e significados podendo criar diálogos fantásticos para o cinema, fazendo com que ele seja atípico e represente características do povo Francês. Acredito que o idioma de um país representa muito da sua cultura e da sua forma de ser e reagir .

Acompanhe aqui a programação completa do Festival:


A entrevista foi realizada pelo diretor e professor de teatro Mateus Barbassa, que também escreve críticas de cinema para o Farofa Cultural.

10 abr/14

HQ "mulher alfa"

postado por Diogo Branco

Na semana do Apertando o Calo especial "Mulher Alfa", nosso querido farofeiro e desenhista Arnaldo Junior preparou uma HQ no mesmo tema.
Obrigado, Arnaldo !

09 abr/14

Mulheres e os afetos que as afetam

postado por Diogo Branco

Mara Cabral, psicóloga clinica-hospitalar e apresentadora, irá comandar hoje (09/04) um descontraído bate papo com abordagem terapêutica psicossomática sobre o tema "Mulheres e os afetos que as afetam" na FNAC do Ribeirão Shopping. 
Imperdível !



Serviço:
Quando? Dia 09 de Abril às 19h30
Onde? FNAC Ribeirão Shopping
Endereço: Av. Coronel Fernando Ferreira Leite, 1540.
Telefone: (16) 3238-3000
Quanto? Gratuito